campanhas

Em ritmo de campanha - 8 de abril 2019

.................................................

100 DIAS SEM EDUCAÇÃO AMBIENTAL
#100diasSemEducaçãoAmbiental

Na semana que se inicia no dia 8 de abril de 2019, será divulgado o balanço das realizações do governo Bolsonaro nos seus primeiros 100 dias no poder. Nessa ocasião, aproveitamos a oportunidade para denunciar o desmantelamento da estrutura administrativa da Política Nacional de Educação Ambiental, criada há vinte anos atrás.

A gestão da Política Nacional de Educação Ambiental no governo federal contava com um Departamento de Educação Ambiental no Ministério do Meio Ambiente, e com uma Coordenação Geral no Ministério da Educação; que atuavam articuladamente nas suas respectivas esferas de competência. A gestão pública da Política Nacional de Educação Ambiental estava presente no organograma dos dois ministérios, desempenhando funções exclusivas da pauta da educação ambiental. Contava ainda, com recursos orçamentários próprios e com equipes altamente qualificadas, compostas por servidores com formação e atuação profissional especializada na educação ambiental, conduzindo dezenas de programas e projetos nacionais e internacionais alinhados à Política Nacional de Educação Ambiental.

Contudo, no bojo da reformulação ministerial do novo governo, o governo Bolsonaro extinguiu a gestão pública tanto no Ministério do Meio Ambiente como no Ministério da Educação. Os lócus institucionais responsáveis pela Política Nacional de Educação Ambiental desapareceram do organograma dos dois ministérios. E os quadros técnicos, nos dois ministérios, dispersaram-se para outros órgãos, esvaziando completamente as equipes. Tudo isso sem qualquer explicação ou justificativa para essa radical medida.

No bojo dos retrocessos ambientais com o desmonte do aparato institucional da defesa ambiental e no contexto neoliberal da redução da máquina pública regulatória do mercado para eliminar os chamados ‘entraves ambientais’, trata-se de um claro sinal de desinteresse do atual governo na continuidade ou fortalecimento da educação ambiental como ela vinha sendo realizada historicamente. Isso porque a educação ambiental também é um ‘entrave ambiental’ a ser suprimido por este governo, porque ela contribui centralmente com o fortalecimento da participação social e democrática na gestão ambiental, formando cidadãos preparados para exercer coletivamente o controle social na defesa do meio ambiente. Sujeitos, nomeados pelo atual presidente, como “ativistas ambientais xiitas”: pessoas que criam ‘dificuldades’ a quem quer empreender no Brasil.

Temos a firme convicção que a extinção da estrutura administrativa da Educação Ambiental no Ministério do Meio Ambiente e da Educação, ou sua realocação para um espaço secundário ou marginal no organograma dos dois ministérios, diluindo suas atribuições em outras pastas; é um projeto político do atual governo, cujo propósito é inviabilizar a implementação da Política Nacional de Educação Ambiental. Mais do que uma descontinuidade política, trata-se de uma ruptura radical no rumo dos programas e ações de educação ambiental que vinham sendo realizados há mais de duas décadas de forma democrática, com o diálogo entre o governo e os educadores e educadoras ambientais representados em suas várias formas de organização institucionais. A democracia é um dos principais fundamentos que sustentam a gestão pública da educação ambiental brasileira. E parece que isso vai acabar.

É por esse motivo que viemos a público alertar à sociedade o retrocesso que compromete o direito garantido por lei, de todo cidadão brasileiro ter acesso aos processos educadores que permitam entender e enfrentar o processo de degradação ambiental advindo das atividades produtivas, como as vinculadas ao agronegócio, mineração ou exploração de petróleo.

Afinal, como dizia Paulo Freire:
“Seria uma atitude muito ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que permitisse às classes dominadas perceberem as injustiças sociais de forma crítica”.

Abril de 2019

OBSERVARE - OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL


100 DIAS SEM EDUCAÇÃO AMBIENTAL
#100diasSemEducaçãoAmbiental

Na semana do dia 8 de abril, o governo Bolsonaro divulgará o balanço dos seus primeiros 100 dias no poder.

Como contraponto, os educadores ambientais vêm a público lançar esta campanha para protestar contra o desmantelamento da estrutura administrativa da Política Nacional de Educação Ambiental no governo federal, com a extinção da gestão pública da educação ambiental dos organogramas dos ministérios do Meio Ambiente e da Educação.
Estamos no meio de uma onda de crimes ambientais e retrocessos ambientais no Brasil, e também, a 100 dias SEM educação ambiental no governo federal.

LEIA o texto completo no blog do Observare:

Para nossa campanha, estamos solicitando a faixa nos perfis do Facebook, basta apertar o link e adicionar a fotografia que o aplicativo faz o resto.

E também, caso queira, outras imagens que podem ser utilizadas, ou adicionando fotos, ou apenas deixando como banner de fundo nas redes sociais.


TWITAÇO no dia 8 de abril
As 12h (de Brasília) – almoço com barulho
#100diasSemEducaçãoAmbiental







 

Nenhum comentário:

Salvador - greve pelo clima

Enviada pela Ana Maria, Salvador 20/09/2019